Warning: ob_start(): non-static method wpGoogleAnalytics::get_links() should not be called statically in /home/mayer/mayer.art.br/blogdobeto/wp-content/plugins/wp-google-analytics/wp-google-analytics.php on line 259
H.G.M.’s Blog
Google Bomb and Política04 Jul 2008 11:34 am

“O Políbio Braga abriu um processo contra o Blog Nova Corja, e eu conheço o Políbio Braga a anos e tenho um derrame (sic) cada vez que abro seu site, seu blog ou seu jornal. Já soube de algumas do Políbio Braga, você também?

Então entre aqui e conheça algumas coisas que eu sei do Políbio Braga.”

Música25 Jun 2008 07:09 pm

Desde a adolecência eu fiz arranjos de músicas, piano -> orquestra, orquestra -> piano, terminei obras incompletas de Mozart, transcrições para quarteto de cordas, etc, etc.

Em 2001 o maestro Lutero Rodrigues me deu a oportunidade de estrear um arranjo meu pela primeira vez com a Orquestra de Câmara Theatro São Pedro. Foi a Rapsódia para Piano, Opus 119 de J. Brahms que transcrevi para orquestra de cordas.

Logo, em novembro de 2003, o Lutero novamente me oportunizou tocar com a mesmo orquestra minha transcrição para cordas da abertura da ópera O Empresário de Mozart, e desta vez eu tive a honra de ensaiar e conduzir a orquestra, tocando como leader.

Após a saída de Lutero da Orquestra, nunca mais houve uma oportunidade para este tipo de trabalho.

Segunda-feira passada foi realizado o terceiro concerto da temporada deste ano da OCTSP, com aberturas e áreas de óperas de Mozart e Rossini, com quatro cantores e a orquestra, acrescida de sopros e tímpanos. Acontece que o (a) soprano de Pelotas iria cantar uma ária da ópera Tancredi de Rossini, que ninguém tem a partitura por aqui, e descobriu-se isso na semana anterior do concerto. Então o Maestro A. C. Borges Cunha me ligou na quinta-feira da semana passada para me perguntar se eu faria a orquestração desta área, baseado na redução para piano e uma gravação. Aceitei na hora, recebi via MSN (Pidgin!) a gravação e me enviaram via e-mail a partitura de piano escaneada de Pelotas. Comecei na quinta à noite, e recomecei na sexta as 15:30, somente acabando às 5:00 da madrugada do dia seguinte, pois as 9:00 comecaria o ensaio, o ante-penúltimo do concerto. Estava com medo de ter errado a transposição de algum instrumento (clarinetes e trompas), mas deu certo. Fiz todo o trabalho utilizando o software Sibelius 4.1 rodando sobre Wine 1.0 em um Kubuntu Linux, sem problemas (leia este post: Partituras em Linux e Software Livre)

Na segunda-feira à tarde antes do concerto, recebi um gentil e-mail do maestro Cunha desculpando-se pelo fato de não sair meu nome no programa, pois este já estava impresso antes do meu arranjo. Tocamos à noite, e foi emocionante por ter ficado muito semelhante à orquestração de Rossini. Como não saiu no programa, e ninguém achou estranha a área, acho que cumpri com o compromisso!

Foi o resultado do investimento intelectual, ter feito muitos trabalhos gratuitos anteriormente e ter tido a cara de pau de apresenta-los :-)

Creio que abriu-se uma porta para novos trabalhos. Obrigado Cunha, pela confiança e oportunidade!

Conhecimento Livre and Software Livre25 Jun 2008 06:12 pm

Ajude a sustentar a Wikipédia e outros projetos, sem colocar a mão no bolso, e concorra a um Eee PC!
…e também a pen drives, card drives, camisetas geeks, livros e mais! O BR-Linux e o Efetividade lançaram uma campanha para ajudar a Wikimedia Foundation e outros mantenedores de projetos que usamos no dia-a-dia on-line. Se você puder doar diretamente, ou contribuir de outra forma, são sempre melhores opções. Mas se não puder, veja as regras da promoção e participe – quanto mais divulgação, maior será a doação do BR-Linux e do Efetividade, e você ainda concorre a diversos brindes!

Proprietário X Livre and Software Livre08 Feb 2008 04:20 pm

Pequenos comentários alusivos a um post no blog de Gilberto Jr:

Segundo Ryan Paul do blog Arstechnica, a portabilidade dos programas de KDE para windows e linux é fruto de uma grande mexida no próprio KDE, que agora deixou o velho e complexo sistema Autotools para usar o CMake. Além disso, o KDE também passou a usar o Qt da Trooltech, um framework criado para facilitar o desenvolvimento de ambientes gráficos multi-plataforma.

Somente uma correção: O KDE não passou a usar a Qt, ele sempre usou a Qt, e esta sempre foi multiplataforma. A diferença é que as versões da Qt para Windows e Mac não tinham licença GPL até a versão 4. Então o KDE só pode iniciar o porte para estas outras plataformas a partir da versão 4 por causa da licença.

A biblioteca Qt tem um histórico interessante quanto às suas licenças, o que cria confusão até hoje com alguns usuários linux. A biblioteca Qt, desde o início tem licença dupla, uma proprietária e que exige pagamento para uso em softwares proprietários, e um livre para uso em softwares livres. No início, a versão livre possuía a licença QPL, que permitia o uso, alterações, estudo, etc; porém não permitia a sua redistribuição com alterações, eventuais alterações deveriam ser distribuídas juntas em forma de patches, e não diretamente no código ou já compilada. Este fato fez com que Richard Stallman não aprovasse nem a licença nem o KDE, que era totalmente construído encima dela. Então, na versão 2.2 (ano 2000) da biblioteca, a empresa colocou mais uma opção de licença, a GPL, mudando assim a história da biblioteca e do KDE, e ganhando a chancela de Stallman (por essas brigas do início dos tempos do KDE, até hoje vejo comentários, principalmente de usuários de Gnome, insistindo que a Qt não é livre…). Porém, a única versão da Qt que possuía licenças livres era para Unix X11 (Linux, BSDs, etc), as versões para Windows e Mac continuavam apenas com a licença proprietária, impedindo assim que houvessem portes do projeto KDE e suas aplicações para estas plataformas. Isto começou a mudar quando a TrollTech tornou a versão para Mac livre (em uma das versões 3.X, não lembro qual), e na versão 4 ocorreu o mesmo com a versão Windows. Isto acarretou, obviamente, na extensão do projeto KDE, com os portes para Mac e Windows. Já haviam tentativas anteriores de rodar o KDE em Windows através do projeto Sygwin, porém era praticamente inutilizável, e haviam poucos desenvolvedores interessados em manter o projeto atualizado. Com a biblioteca Qt rodando nativamente em Windows e Mac, é bem possível manter todos os portes do KDE em sincronia. Além disso, o Desktop KDE não está sendo portado, pelo simples fato de que usuários Windows e Mac não precisarem dele (usuários Mac não trocam sua interface por nada), apenas as bibliotecas e seus maravilhosos aplicativos estão sendo portados, e a partir da versão 4.1 serão declaradas estáveis.

Na minha opinião, esta iniciativa é genial, mas o maior problema do linux é o contrário: ele não roda programas feitos para windows. Sei que as empresas de software (como a Adobe) é que são culpadas por desenvolverem somente para windows/mac e não para linux, negando a seus clientes a escolha da plataforma que mais gosta, mas eu tenho certeza de que se o linux rodasse bem programas como o Photoshop, que só roda no windows, muitos usuários que hoje nem pensam em deixar o windows mudariam de idéia.

Realmente o fato da Adobe e Corel não darem importância ao Linux complica bastante a migração paraa esta plataforma, principalmente de profissionais das artes gráficas (como é o caso da minha esposa, que só usa Windows por causa do Corel Draw e o Adope Page Maker). Porém isto está mudando, e rapidamente. Estão aparecendo programas que vem melhorando sua qualidade muito rapidamente, como o Inkscape e o Scribus. Além disso, já era o tempo em que aplicações Windows não rodavam em Linux. O projeto Wine vem progredindo em escala geométrica, possibilitando o uso normal já de inúmeros aplicativos, inclusive o Adobe Photoshop CS3. É claro que falta muito ainda para o Wine ser um portal completo para aplicações Windows em Linux, Mac (e em um futuro não muito distante, advinhe, Window!), mas o progresso está muito rápido, e eu o uso frequentemente (com o programa Sibelius 4 para edição de partituras).

Curiosidades08 Jan 2008 09:16 am

Não escrevi muito ultimamente, mas vou atualizar algumas coisas, já que entramos em 2008, e muitas coisas aconteceram e estão acontecendo.

O último post abaixo (de agosto ainda…) saiu em destaque no br-linux na semana em que postei aquele texto lá.

Estou bem afastado do desenvolvimento de software livre, já a alguns anos, porém gostaria de me reintegrar à comunidade, principalmente ao projeto KDE, o problema, como sempre, é tempo.

O KDE 4 vai ser lançado no próximo dia 11 :-)

Eu e a Núbia compramos computadores novos, agora posso rodar qualquer coisa aqui :-)

Estamos reformando nossa casa nova! Creio que no máximo em um mês estamos nos mudando!

Nossa casa!

Música and Software Livre14 Aug 2007 06:48 pm

Este post eu estou colocando aqui para registro. Iniciei com um e-mail que mandei para um amigo que está nos EUA, após publiquei num comentário no br-linux, então transcrevo-o aqui:

Eu sou músico profissional, e seguidamente tenho que fazer arranjos, composições e cópias de partituras para orquestra inteira. As pessoas tendem a confundir softwares de edição de áudio com edição de partituras, o que é bem diferente.
Em primeiro lugar, sou muito defensor do linux e do software livre, uso-o desde 1999 e defendo-o sempre. Porém, em algumas áreas, o software livre ainda sofre um pouco com a carência de bons softwares, como é o caso das artes gráficas e edição de partituras (e este cenário vem mudando bastante rapidamente)
Vou colocar abaixo um e-mail que, por acaso escrevi hoje para um colega:

“Sobre software de partituras em linux, tenho uma noticia boa e uma ruim:

Não existe nada profissional wysiwyg pra linux, como Finale ou Sibelius. Não dá pra chegar ao fim de uma sinfonia com 300 compassos e 15 instrumentos com milhões de marcações de dinâmica, ligaduras, multi-voices etc sem dar pau no programa ou consumir toda a memória RAM. Ma há boas promessas, vide http://www.rosegardenmusic.com , atualmente este é o melhor, e há também o https://canorus.berlios.de que eu estou apostando (tem uma longa historia), e usa o http://www.lilypond.org para gerar o pdf para imprimir. Por sinal, o lilipond é talvez o melhor software para gerar partitura com qualidade profissional, e é livre e multi-plataforma, porem ele não é visual, tem que “escrever” a partitura na linguagem dele. Eu uso o um software como o http://noteedit.berlios.de/ ou o http://denemo.sourceforge.net/ para escrever a partitura na tela, exportar para o formato lilipond e entao fazer alguns ajustes no formato do lilipond, então eu tenho uma excelente qualidade de impressão. Mas é uma pequena odisséia a percorrer, as vezes inviabiliza quando tem que fazer uma pequena partitura para um cachê a noite. Tem inclusive um artigo que saiu esses dias sobre softwares pra isso em linux: http://www.linux.com/feature/118302

a boa: O Sibelius, o Finale e o Encore rodam e linux usando o wine – http://www.winehq.org (vide http://appdb.winehq.org/appview.php?iVersionId=6582)

A melhor solução para fazer trabalhos pra faculdade ou mesmo livros sobre música (textos com escertos de partituras no meio) é o lilipond, de uma olhada no manual dele – http://lilypond.org”

Música23 Jul 2007 11:36 am

Em 26 de janeiro de 2006 eu, meus irmãos e dois amigos realizamos um recital no Theatro são Pedro em Porto Alegre, em homenagem aos 250 anos de nascimento de Mozart. Todas as informações deste recital estão aqui.

A Patrícia Pacheco, esposa de Carlos Sell (que também tocou) filmou o recital, do qual disponibilizei o primeiro movimento do Trio em Sol maior para Pianoforte, Violino Violoncelo Kv 496, no Youtube:

Música07 Jul 2007 01:19 am

Tocamos em 5 de dezembro de 2006 Missa em Lá Maior de Bach, no concerto de formatura de regência do Diego Schuck Biasibertti. Ele colocou o vídeo do Glória no youtube (ver mais abaixo). Tocamos com lá em 415Hz, instrumentos e arcos barrocos, e teve um resultado muito bom. A platéia não completou a metade do auditorium Tasso Correa do Instituto de Artes da UFRGS.

Apareço bem nesse vídeo, algo raro na minha vida. Parece uma sina, em todos os recitais que dei, não tenho uma foto que preste! Sepre ocorreu algo, ou faltou filme, ou a luz não ajudou, ou quem foi tirar foto ficou com vergonha de, por ventura, chamar a atenção.

Isso mesmo, há boa música sendo feita aqui em Porto Alegre, dentro e fora dos padrões, mas santo de casa não faz milagres.

Bizarro and Curiosidades07 Jul 2007 12:54 am

Alguém já viu a estrutura da vila olímpica montada para os atletas dos Jogos Pan-americanos no Rio de Janeiro?

Jão falta mais nada mesmo pra fazer aqui. Fiquei empanzinado.

Música09 Apr 2007 11:04 am

Estamos criando um novo site para venda de partituras pela internet, fica em http://www.mayer.art.br/partituras/
Logo estaremos oferecendo novas partituras de novas edições, aguarde.

« Previous PageNext Page »