Warning: ob_start(): non-static method wpGoogleAnalytics::get_links() should not be called statically in /home/mayer/mayer.art.br/blogdobeto/wp-content/plugins/wp-google-analytics/wp-google-analytics.php on line 259
H.G.M.’s Blog » Partituras em Linux e Software Livre
Música and Software Livre14 Aug 2007 06:48 pm

Este post eu estou colocando aqui para registro. Iniciei com um e-mail que mandei para um amigo que está nos EUA, após publiquei num comentário no br-linux, então transcrevo-o aqui:

Eu sou músico profissional, e seguidamente tenho que fazer arranjos, composições e cópias de partituras para orquestra inteira. As pessoas tendem a confundir softwares de edição de áudio com edição de partituras, o que é bem diferente.
Em primeiro lugar, sou muito defensor do linux e do software livre, uso-o desde 1999 e defendo-o sempre. Porém, em algumas áreas, o software livre ainda sofre um pouco com a carência de bons softwares, como é o caso das artes gráficas e edição de partituras (e este cenário vem mudando bastante rapidamente)
Vou colocar abaixo um e-mail que, por acaso escrevi hoje para um colega:

“Sobre software de partituras em linux, tenho uma noticia boa e uma ruim:

Não existe nada profissional wysiwyg pra linux, como Finale ou Sibelius. Não dá pra chegar ao fim de uma sinfonia com 300 compassos e 15 instrumentos com milhões de marcações de dinâmica, ligaduras, multi-voices etc sem dar pau no programa ou consumir toda a memória RAM. Ma há boas promessas, vide http://www.rosegardenmusic.com , atualmente este é o melhor, e há também o https://canorus.berlios.de que eu estou apostando (tem uma longa historia), e usa o http://www.lilypond.org para gerar o pdf para imprimir. Por sinal, o lilipond é talvez o melhor software para gerar partitura com qualidade profissional, e é livre e multi-plataforma, porem ele não é visual, tem que “escrever” a partitura na linguagem dele. Eu uso o um software como o http://noteedit.berlios.de/ ou o http://denemo.sourceforge.net/ para escrever a partitura na tela, exportar para o formato lilipond e entao fazer alguns ajustes no formato do lilipond, então eu tenho uma excelente qualidade de impressão. Mas é uma pequena odisséia a percorrer, as vezes inviabiliza quando tem que fazer uma pequena partitura para um cachê a noite. Tem inclusive um artigo que saiu esses dias sobre softwares pra isso em linux: http://www.linux.com/feature/118302

a boa: O Sibelius, o Finale e o Encore rodam e linux usando o wine – http://www.winehq.org (vide http://appdb.winehq.org/appview.php?iVersionId=6582)

A melhor solução para fazer trabalhos pra faculdade ou mesmo livros sobre música (textos com escertos de partituras no meio) é o lilipond, de uma olhada no manual dele – http://lilypond.org”

5 Responses to “Partituras em Linux e Software Livre”

  1. on 25 Jun 2008 at 7:17 pm H.G.M.’s Blog » Uma porta aberta

    [...] Segunda-feira passada foi realizado o terceiro concerto da temporada deste ano da OCTSP, com aberturas e áreas de óperas de Mozart e Rossini, com quatro cantores e a orquestra, acrescida de sopros e tímpanos. Acontece que o (a) soprano de Pelotas iria cantar uma ária da ópera Tancredi de Rossini, que ninguém tem a partitura por aqui, e descobriu-se isso na semana anterior do concerto. Então o Maestro A. C. Borges Cunha me ligou na quinta-feira da semana passada para me perguntar se eu faria a orquestração desta área, baseado na redução para piano e uma gravação. Aceitei na hora, recebi via MSN (Pidgin!) a gravação e me enviaram via e-mail a partitura de piano escaneada de Pelotas. Comecei na quinta à noite, e recomecei na sexta as 15:30, somente acabando às 5:00 da madrugada do dia seguinte, pois as 9:00 comecaria o ensaio, o ante-penúltimo do concerto. Estava com medo de ter errado a transposição de algum instrumento (clarinetes e trompas), mas deu certo. Fiz todo o trabalho utilizando o software Sibelius 4.1 rodando sobre Wine 1.0 em um Kubuntu Linux, sem problemas (leia este post: Partituras em Linux e Software Livre) [...]

  2. on 15 Jan 2009 at 6:42 am Sávio Ramos

    Estou aprendendo música e como só uso GNU/Linux escolhi o Lilypond como editor.

    Fiquei intrigado com o que disse: “sem dar pau no programa ou consumir toda a memória RAM”.

    Baixei a sinf. 7 Beethoven, compilei e não deu problema.

    Na prática, o que significa o que você disse? Para o arquivo ficar 100% o músico quebrou muita pedra? Mais pedras do que com os programas proprietários?

    Abraços

  3. on 15 Jan 2009 at 9:02 am knight_rs

    Sávio,
    Exatamente.
    Para o arquivo ficar 100% o músico tem que quebrar muita pedra.
    O Lilypond é excelente, porém a edição em seu formato é quase um trabalho artístico, assim como seu resultado. É impraticável utiliza-lo para fazer um arranjo expressamente pela tarde para tocar à noite.
    Há outros projetos que estão amadurecendo lentamente, como o Canorus, que é justamente um layer gráfico para o lilypond e outros (musicxml, etc) além de já imprimir diretamente, porém ainda há um longo caminho.
    Abraço,
    Huberto

  4. on 20 Feb 2010 at 2:27 am ph

    Esqueceram de um editor bastante significativo musescore tambem uma boa alternativa seria o exelente editor online noteflight, outra alternativa que possibilita uma ediçâo um pouco complexa é o abcplus apesar dos boatos permite uma escrever partituras complexas com poligonia e dinameica etc

    http://www.linux-magazine.com.br/images/uploads/pdf_aberto/LM16_partituras.pdf

    leem os comentarios
    http://www.vivaolinux.com.br/artigo/Escreva-partituras-no-Linux/

    http://alfarrabio.di.uminho.pt/~albie/abc/

    http://www.noteflight.com/login


  5. [...] (e isso foi em 1999…), meu grande problema era a editoração musical. Cheguei a escrever um post neste mesmo blog em 2007 em resposta à um post no Br-Linux. Usava o Encore em Windows desde 1997, [...]

Trackback this Post | Feed on comments to this Post

Leave a Reply